Saltar para o conteúdo
aprendizagem socioemocional

Aprendizagem Socioemocional: o papel das emoções na educação

Todos temos emoções e estabelecemos vínculos com o conhecimento e com as pessoas. A comunidade escolar está interligada na teia do saber, e cada um de seus integrantes desempenha um papel relevante na formação dos cidadãos do futuro. Entender essas emoções e aprender como lidar com elas é parte importante da construção de conhecimento. A esse processo damos o nome de aprendizagem socioemocional, tema que vamos discutir nesse artigo.

A importância das emoções na aprendizagem

Estudos nas áreas de Educação e Neurociências comprovam a importância das emoções no processo de aprendizagem. O trabalho intencional com as emoções promove melhoria no comportamento e na convivência entre alunos. Isso contribui para um ambiente escolar mais favorável à aprendizagem e à construção de relacionamentos mais positivos, o que aumenta a atenção e o desempenho acadêmico.

Em todo o país, educadores de instituições de ensino públicas e privadas têm se debruçado sobre o tema, provocando indagações relevantes para a prática educacional. No Seminário DoCEntes, promovido pelo governo do Ceará, educadoras trouxeram uma interessante reflexão sobre o letramento científico mediado pelas competências emocionais, destacando a importância de profissionais que saibam gerenciar emoções, tenham empatia e saibam se comunicar.

Outro estudo relevante sobre habilidades socioemocionais em contextos educativos trouxe possíveis respostas ao questionamento em torno do resgate da afetividade na formação docente e discente, destacando que esses aspectos precisam ser exercitados de forma intencional e sistemática nas práticas pedagógicas, nos campos de conhecimento e nas relações humanas. 

A pesquisa aponta ainda que a educação socioemocional e a afetividade, quando presentes no processo escolar,  planejadas e aplicadas com intencionalidade pedagógica contribuem para a construção de indivíduos mais solidários, empáticos e responsáveis. 

A educação socioemocional está ligada a vários aspectos da vida das pessoas e traz benefícios se implantada nas escolas, conforme destacou a especialista norte americana Pamela Bruening em entrevista à revista Educação.

Dessa forma, te convidamos a refletir sobre a importância do desenvolvimento da aprendizagem socioemocional no contexto escolar. Acreditamos que as crianças e jovens devem ser desenvolvidos em sua integralidade, considerando-se os aspectos cognitivos, éticos, socioemocionais, culturais e físicos.

Assim, esses alunos estarão preparados para fazer escolhas responsáveis, baseadas em seus projetos de vida e também estarão equipados para transitar em diferentes contextos através da ampliação de seu repertório linguístico e do fortalecimento de suas capacidades de resiliência, adaptabilidade e de construção e manutenção de relações humanas mais positivas.

O que é aprendizagem socioemocional?

É o processo através do qual crianças e adultos compreendem e aprendem a lidar com suas emoções, estabelecem e alcançam objetivos, sentem empatia pelos outros, constroem e mantêm relações sociais positivas, associadas à tomada de decisões responsáveis.

Há mais de 20 anos o Casel (The Collaborative for Academic, Social and Emotional Learning) desenvolve pesquisas e estudos no campo da aprendizagem socioemocional. Recentemente a instituição atualizou sua definição e seu modelo conceitual para aprofundar e esclarecer os fundamentos da aprendizagem socioemocional. Confira aqui:

“A aprendizagem socioemocional (ASE) é parte integrante da educação e do desenvolvimento humano. A ASE é o processo pelo qual toda criança, jovem e adulto adquirem e aplicam conhecimentos, habilidades e atitudes para desenvolver identidades saudáveis, gerenciar emoções, alcançar objetivos pessoais e coletivos, sentir e demonstrar empatia pelos outros, estabelecer e manter relacionamentos de apoio e tomar decisões responsáveis ​​e cuidadosas.

A ASE promove a equidade e a excelência educacional por meio de parcerias efetivas entre escola, família e comunidade, que estabelecem ambientes de aprendizagem, experiências e relacionamentos amparadas na confiança e na colaboração, um currículo estruturado e significativo com instrução direta e avaliações contínuas. A ASE pode ajudar a diminuir diversas formas de desigualdade e empoderar crianças, jovens e adultos para cocriar escolas prósperas e contribuir para comunidades seguras, saudáveis ​​e justas.” (Casel) 

Para mais detalhes, assista a entrevista de Karen Niemi, presidente e CEO de Casel, realizada em 09/10/2020 em que  apresenta a nova conceituação. 

O que são as competências socioemocionais?

Segundo a  organização americana CASEL (Collaborative for Academic, Social, and Emotional Learning),  a aprendizagem socioemocional tem por objetivo estimular a identificação, a compreensão e o gerenciamento das emoções nas relações pessoais e interpessoais para que tais conhecimentos e atitudes sejam utilizados na promoção de ambientes mais saudáveis e criativos.

Dessa forma, destaca a necessidade de se desenvolver as seguintes competências:

  • autoconhecimento – capacidade de reconhecer as próprias emoções, pensamentos e valores e a compreensão de que afetam nosso comportamento.
  • autorregulação – capacidade de administrar adequadamente impulsos e emoções em situações diversas, gerenciando o estresse e fomentando a capacidade de definir metas.
  • consciência social – capacidade para se colocar no lugar do outro, exercitando a empatia, o respeito à diversidade e a compreensão das normas sociais em diferentes contextos, seja na família, na escola ou na comunidade.
  • habilidades de relacionamento – capacidade de estabelecer e manter relacionamentos saudáveis e positivos. Além disso, ser capaz de comunicar-se efetivamente, de trabalhar de forma colaborativa, resolvendo conflitos de forma harmônica, desenvolvendo a escuta ativa e voluntariando-se para ajudar sempre que necessário. 
  • tomada de decisão responsável – capacidade de fazer escolhas  atentas e edificantes, tomando por base padrões éticos e sociais, avaliando benefícios e consequências de ações diversas e seu impacto no bem estar individual, social e coletivo. 

Como as competências socioemocionais dialogam com a BNCC?

As novas diretrizes propostas pela BNCC destacam as competências gerais como orientações para se fomentar o desenvolvimento integral dos alunos, de forma a contribuir para a construção de uma sociedade mais justa, igualitária, inclusiva e democrática.

Além disso, valorizam as habilidades socioemocionais como essenciais para a aprendizagem, o que se configura um importante passo na renovação da escola e do professor. 

As competências socioemocionais representam recortes das competências gerais e devem ser abordadas de forma transversal no contexto escolar através de práticas pedagógicas. Assim, podem contribuir para uma maior autonomia de pensamento e atitudes dos alunos, reduzindo casos de indisciplina e melhorando os índices de aprendizagem.

Com isso, é importante destacarmos as seguintes competências:

  • Autoconhecimento e autocuidado – compreende a capacidade de conhecer-se e apreciar-se, valorizando a diversidade humana com o objetivo de zelar não apenas pela sua saúde física e emocional, mas também pela dos outros.
  • Empatia e cooperação – refere-se à capacidade de exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fomentando o respeito ao outro e às diferenças, promovendo acolhimento e inclusão de todos sem preconceitos e percebendo-se como parte de uma coletividade da qual também é co-responsável.
  • Responsabilidade e cidadania – constitui a capacidade de valorização e apropriação de conhecimentos e experiências de forma a compreender o mundo do trabalho e fazer escolhas condizentes com princípios éticos, criticidade, responsabilidade, liberdade e autonomia.

A partir desses apontamentos, fica claro o papel ativo dos alunos no processo de aprendizagem e o quanto as competências promovem o desenvolvimento de habilidades e trazem impactos relevantes para a sociedade.

Outro ponto importante a ressaltar é que comportamentos sociais e emocionais podem e devem ser ensinados. Para que tal desenvolvimento aconteça, é necessário um empenho da comunidade escolar e a aplicação intencional de atividades  que proporcionem essa aprendizagem na vida cotidiana dos alunos. Isso tudo deve acontecer em um ambiente participativo, equitativo, onde a escuta ativa esteja presente, com clareza de objetivos e instruções.

Aprendizagem socioemocional na sala de aula Edify

O Edify oferece em seus materiais didáticos oportunidades para desenvolver habilidades socioemocionais. No entanto, na prática, percebemos a necessidade de aprofundar o olhar e sensibilizar os professores para a relevância e o alcance dessas atividades.

Notamos que o foco dos docentes permanecia nos aspectos linguísticos e não conseguiam desenvolver as habilidades socioemocionais, conforme proposto. Assim, realizamos um estudo de caso envolvendo turmas do Ensino Fundamental 1 de escolas parceiras.

Inicialmente fizemos uma dinâmica de sensibilização com os professores para despertar reflexões acerca da aprendizagem socioemocional em sala de aula e aplicamos questionários e atividades específicas envolvendo o tema para exercitar a percepção dos professores, o engajamento dos alunos, e mensurar os impactos alcançados ao longo do processo. A experiência trouxe significativas reflexões. 

Um trabalho socioemocional consistente e planejado trará benefícios não só acadêmicos como também sociais para alunos, professores e toda a comunidade escolar.

Lembramos que é essencial a criação de um vínculo entre alunos e professores para estabelecer uma relação de confiança, respeito e sentimento de pertencimento.  Além disso, a intencionalidade educativa deve ser ressaltada, pois só assim o professor conseguirá um maior engajamento dos alunos, de forma a gerar um impacto positivo em suas relações, no ambiente escolar e na comunidade.

Conheça o nosso programa bilíngue que desenvolve habilidades socioemocionais: o To Create!

Compartilhe esse texto!

Avatar de Jucymar Boccazio e Marcela Tavares Ribeiro

Jucymar Boccazio e Marcela Tavares Ribeiro

Jucymar Boccazio é mentora pedagógica e formadora de professores no Edify Education. Graduada em Letras (Português / Inglês) pela PUC/RJ e especialista em Educação Infantil e Neurociência Pedagógica pela AVM, possui também o certificado Train the Trainer, expedido pela Universidade de Cambridge e atualmente está cursando Metodologias e Práticas para a Educação Bi/Multilíngue pelo Instituto Singularidades. Há mais de 20 anos desenvolve pesquisa e produção de conteúdo pedagógico na área de ELT e bilinguismo. É a editora responsável pela série Shake It, produzida pela Learning Factory para crianças de 2 e 3 anos. Marcela Tavares Ribeiro, Coordenadora Pedagógica Sênior. Formada em Pedagogia, MBA em Gestão de Pessoas e Pós-graduanda em Metodologias e Práticas para Educação Bi/ Multilíngue

Assine nossa newsletter e fique por dentro de mais conteúdos relevantes sobre educação!

Veja textos relacionados:

Professor utilizando uma ferramenta online para realizar uma avaliação educacional

Nossos princípios norteadores em avaliação educacional

No Edify, consideramos nossos alunos em sua integralidade. Sendo assim, nossas soluções acadêmicas priorizam uma aprendizagem personalizada, significativa e colaborativa que promova motivação, engajamento, autonomia e sensação de progresso. A avaliação educacional é parte constituinte…