Importância do Bilinguismo na Educação Infantil
Bilinguismo
qui fev 21
Jucymar Boccazio
Jucymar Boccazio

Jucymar Boccazio

Coordenadora Pedagógica e formadora de professores pelo Edify. Graduada em Letras (Português/Inglês) pela PUC/RJ e especialista Educação Infantil pela AVM. Há mais de 20 anos desenvolve pesquisa e produção de conteúdo pedagógico na área de ELT e bilinguismo. É a editora responsável pela série Shake It, produzida pela Learning Factory para crianças de 2 e 3 anos.

Jucymar Boccazio

Importância do Bilinguismo na Educação Infantil

A educação Infantil é um espaço de aprendizagem e desenvolvimento. É fundamental oferecer estímulos adequados na infância para favorecer o desenvolvimento cognitivo, físico, emocional e social da criança. As vivências nessa fase moldam a arquitetura do cérebro e trazem impactos relevantes para aprendizagens futuras.

O desenvolvimento cerebral nos primeiros cinco anos de vida é muito acelerado. Sabemos que quanto mais exposta a experiências variadas de aprendizagem, mais a criança estabelecerá redes neuronais ativas e mais facilmente saberá lidar com situações diversificadas, ampliando e amadurecendo o seu conhecimento de mundo.

Por que o bilinguismo?

Uma forma positiva de proporcionar essa estimulação é através da educação bilíngue. A imersão na segunda língua possibilita às crianças se familiarizarem com sons, palavras e expressões do idioma e fortalece as redes neuronais, além de estimular outras habilidades como a associação de ideias, a capacidade de análise e síntese, a classificação, a atenção, a memória, o raciocínio lógico e a criatividade.

O bilinguismo é um fenômeno natural em muitos países como o Canadá. A experiência bilíngue desperta o potencial de aprendizagem das crianças e, de fato, molda o cérebro no momento da vida em que ele é mais flexível.

Os diversos idiomas existentes utilizam 800 sons e apenas 40 deles é o que distingue um idioma do outro. Os bebês nascem com um potencial para falar qualquer língua e é por isso que dizemos que eles são cidadãos do mundo.

Por volta dos seis meses, os bebês são capazes de discriminar todos os sons de qualquer língua. No entanto, por volta dos doze meses, o cérebro dos bebês começa a selecionar os sons específicos da língua materna e essa habilidade de diferenciar outros sons vai se perdendo.

À medida que crescem, fica mais difícil, porém não impossível, articular novos padrões rítmicos. Contudo, se houver exposição sistemática e regular a um segundo idioma, mediada pela interação com um adulto ou com outras crianças, os bebês passarão a reconhecer os sons “estrangeiros” como possíveis e a mantê-los ativos para futura comunicação.

Assim, aprender um outro idioma na infância exige menos esforço e resultará em uma pronúncia mais apurada devido à facilidade de discriminação e articulação de sons.

Mas como o bilinguismo infantil ocorre?

As crianças podem se tornar bilíngues de duas maneiras: através da aquisição simultânea à língua materna (quando ocorre até os três anos de idade) ou por meio da aquisição sequencial (quando ocorre após os três anos, geralmente em um contexto de escola bilíngue). Falamos um pouco sobre essas opções e as escolas que as atendem aqui no blog.

A aquisição sequencial de uma segunda língua acontece de uma forma muito semelhante à aquisição da língua materna. Primeiro a criança ouve, interage, é estimulada pela fala do outro e apresenta uma resposta física, não verbal ao estímulo.

Ela vai sorrir, balbuciar, seguir um comando e identificar um determinado objeto ao lhe ser solicitado. Mantendo-se a estimulação adequada no idioma, com contato diário, através de fala, música, jogos interativos, histórias e dramatizações, a criança começa a construir sentido e vocabulário. Inicia, então, o uso de palavras isoladas e fala imitativa.

Mais tarde, conseguirá desenvolver a fala propriamente dita, quando atinge conhecimento suficiente para combinar palavras e formar frases de sua autoria para manifestar preferências, fazer comentários ou solicitações, recontar uma história, etc. No entanto, se essas aquisições não forem utilizadas e exercitadas com frequência, naturalmente o cérebro irá descartá-las como não importantes e elas serão “esquecidas”.

A importância do bilinguismo na transformação do cérebro infantil?

A experiência do bilinguismo na infância tem impactos positivos no cérebro e aumenta capacidades cognitivas ligadas à atenção, memória, raciocínio lógico e criatividade.

Uma das questões apresentadas é o aumento do controle inibitório, que é a capacidade de selecionar informações relevantes e bloquear distrações. Num ambiente de imersão, as crianças lidam, ao mesmo tempo, com dois códigos linguísticos de conceituação: a língua materna e a língua adicional.

Em escolas bilíngues brasileiras, por exemplo, elas recebem estímulos em português e em inglês e absorvem essas informações. O tempo todo há interferência e transferência entre as duas línguas.

Quando os pequenos ouvem o professor falar, eles acionam, concomitantemente os dois canais. Contudo, internamente, bloqueiam a informação de um idioma e deixam fluir o outro que está sendo requisitado no momento.

Por exemplo, se o professor de inglês mostra a figura de um cachorro e pergunta “What’s this?”, a criança seleciona a palavra pertinente ao contexto, além de identificar e nomear o vocabulário. Então, ela responde “dog” e não “cachorro”.

A alternância de códigos (uso da língua materna e da língua adicional) fortalece a habilidade de atenção seletiva. Esse exercício constante favorece o desenvolvimento de outra habilidade que é a capacidade de análise e síntese.

Por exemplo, quando os alunos ouvem uma história narrada em inglês, conseguem selecionar e reproduzir palavras chave para o entendimento global da narrativa. Eles compreendem o todo, sem se ater ao significado palavra por palavra. Fazem inferências e desenvolvem a compreensão e a interpretação.

Assim, podemos dizer que as crianças bilíngues tornam-se mais eficientes em focar a atenção. Como exercitam mais vezes a habilidade de atenção seletiva, futuramente terão maior agilidade na compreensão de um texto ao inferir dados, ao distinguir informações importantes num enunciado e também ao passar de uma tarefa para outra, sem se perder no raciocínio.

Para entender ainda mais como o bilinguismo na educação infantil pode desenvolver tais habilidades, leia também sobre o funcionamento do cérebro bilíngue no artigo Descubra como estimular o cérebro bilíngue.


Compartilhar:

Artigos relacionados

Programa Bilíngue de A a Z
Bilinguismo
qui out 22 André Hedlund

Programa Bilíngue de A a Z

Nos últimos anos, tem-se discutido muito o conceito de ensino bilíngue e seu lugar no sistema educacional brasileiro. Com raras exceções até…

Leia Mais

Inovação educacional: integração curricular no contexto bilíngue
Bilinguismo
qui set 10 Carla Montenegro

Inovação educacional: integração curricular no contexto bilíngue

Tendências na Educação Bilíngue A Educação Bilíngue tem tido um crescimento significativo no Brasil nos últimos anos. No entanto, esse…

Leia Mais

10 dicas para aumentar a participação dos alunos nas aulas de inglês
Bilinguismo
qui jul 30 Márcio Pantoja

10 dicas para aumentar a participação dos alunos nas aulas de inglês

Muitos professores de inglês, especialmente os que estão em início de carreira, demonstram certa dificuldade para garantir a participação dos…

Leia Mais