Um exemplo prático de diferenciação do ensino: meu desafio Jimmy Fallon
Educação
seg jul 6
André Hedlund
André Hedlund

André Hedlund

Professor de inglês há mais de uma década, trabalho em diferentes escolas, universidades e em muitos negócios. Sou bacharel em Relações Internacionais e atualmente faço mestrado em Psicologia da Educação na Universidade de Bristol, Inglaterra, como Chevening Scholar. Trabalho como consultor acadêmico e instrutor de ensino da National Geographic Learning (conteúdo Nat Geo + TED Talks), também defendo a plataforma educacional online International Education and Resource Network (iEARN) e fui eleito o novo presidente da Partners of the Americas Goiás. Sou examinador de certificados de Michigan, membro do Grupo de Interesse Especial (SIG) da Mente, Cérebro e Educação do BRAZ-TESOL e sonho em mudar a educação em todo o mundo por meio dos conceitos dessa nova ciência.

André Hedlund

Um exemplo prático de diferenciação do ensino: meu desafio Jimmy Fallon

A foto mostra a carta da Isadora para o Jimmy Fallon, exemplo prático de diferenciação do ensino de uma aluna que tinha facilidade no tema e pôde se desenvolver ainda mais.

Há uns 3 anos, planejei uma aula de revisão sobre o VERB TO BE no Simple Present. Eu queria que meus alunos fossem capazes de escrever uma carta sobre si mesmos, dizendo como eles se chamavam, a sua nacionalidade, idade e outros detalhes simples sobre suas vidas. O problema era: as crianças tinham níveis diferentes em relação às habilidades com o idioma, e alguns deles precisavam de atenção especial para concluir a tarefa. Eu tinha um aluno com dislexia, alguns com dificuldades parecidas com a média de qualquer outra turma e uma aluna extremamente confortável a língua inglesa. Era necessário, então, adotar uma estratégia de diferenciação do ensino. Toda essa situação me fez lembrar o Ensino Médio quando eu estava sentado ao lado do Bruno, meu antigo colega de classe, em uma aula de matemática.

O Bruno e eu tínhamos as melhores notas em matemática. Você provavelmente está se perguntando: como um professor de inglês pode obter as melhores notas em matemática? Bem, de alguma maneira eu conseguia. Mas a pior parte foi que nós não nos sentíamos desafiados o suficiente. Nós resolvíamos as equações mais rapidamente do que os nossos colegas e ficávamos entediados esperando os outros terminarem. Uma vez, o Bruno resolveu uma equação no quadro porque nosso professor do Ensino Médio não conseguia encontrar a resposta. Sério, isso realmente aconteceu! E nosso professor simplesmente disse que não estava preparado para essa equação específica. Infelizmente, essa é a única lembrança que tenho desse professor – e também o fato de ele ter dedos extremamente longos! Nós, como a maioria dos adolescentes, costumávamos conversar sobre os dedos do professor na aula.

Tivemos outra professora que foi ótima. No entanto, novamente, não fomos desafiados o suficiente. Lembro que o Bruno e eu costumávamos sentar na frente e um dia estávamos tentando sintetizar uma fórmula para logaritmos depois de terminar uma lista de equações antes do que qualquer outra pessoa da sala. Nossa professora percebeu que tínhamos terminado e nos abordou sussurrando: “Gostaria de poder dar algo extra para vocês. Vocês dois são excelentes alunos ”.

Mas ela nunca deu …

Hoje eu me pergunto: e se esses professores tivessem lido sobre diferenciação? Afinal, o que é diferenciação do ensino?

De acordo com o Glossário de Reforma da Educação:

“Diferenciação refere-se a uma ampla variedade de técnicas de ensino e adaptações de aulas que os educadores usam para instruir um grupo diversificado de alunos, com diversas necessidades de aprendizagem, no mesmo curso, sala de aula ou ambiente de aprendizagem. […]. Em salas de aula heterogêneas, por exemplo, os professores variam estratégias de ensino e usam lições mais flexíveis para envolver os interesses dos alunos e atender a necessidades de aprendizado distintas – as quais podem variar de aluno para aluno. A ideia básica é que os objetivos educacionais primários – garantir que todos os alunos dominem conhecimentos, conceitos e habilidades essenciais – permaneçam os mesmos para todos, mas os professores podem usar métodos instrucionais diferentes para ajudá-los a atender às expectativas”

Assim que eu aprendi sobre diferenciação do ensino, tentei aplicar esse princípio nas minhas aulas. É tudo uma questão de desafio e como você oferece diferentes níveis de acordo com as necessidades de aprendizado de seus alunos.  A ideia também está profundamente relacionada à motivação. O maior desafio, confesso, é criar diferentes níveis de desafio para o mesmo conteúdo. Isso foi o que eu fiz na aula em questão:

1. Designei o papel de tradutor e escritor oficial para a aluna que se sentia mais confortável com o idioma. Também pedi que ela fosse minha assistente e que ajudasse os outros em suas atividades.

2. Classifiquei a lista de exercícios do livro de maneira que havia atividades menos desafiadoras, moderadas e mais desafiadoras. Isso significava que os alunos poderiam passar pelos exercícios de acordo com suas necessidades.

3. Sentei-me com meu aluno disléxico para garantir que as coisas estavam indo bem. Eu tentei ajudar o máximo possível e imprimi os exercícios com letras maiores e mais espaçamento entre as linhas.

4. Pedi à tradutora oficial que escrevesse uma carta para o Tonight Show do Jimmy Fallon e que pedisse a opinião dos colegas. Esse desafio fez com que ela se sentisse muito especial e deu-lhe um propósito, já que ela terminou sua lista de exercícios antes de todos os outros.

Viu só o que eu fiz? Eu criei uma atividade com relevância na vida real da minha aluna e da turma. Em vez de apenas pedir que escrevessem uma carta sobre mim para mim, pedi que escrevessem sobre eles mesmos e para o Jimmy Fallon. Tenho certeza de que isso tornou a atividade muito mais especial. Em seguida, pedi que os outros alunos escrevessem uma carta para o Jimmy Fallon em casa, com mais tempo para realizar a tarefa. Eu disse que o Jimmy lia cartas de várias crianças do mundo todo e eles ficaram animados quando eu mostrei a eles um vídeo do Jimmy lendo suas Cartas Infantis.

Nós enviamos a carta para a equipe do Jimmy Fallon, que infelizmente nunca leu ao vivo no seu programa. Contudo, recebemos um e-mail de agradecimento pelo envio da carta e eu traduzi a mensagem na sala de aula com ajuda da minha tradutora oficial. Além de desafiar minha aluna e a turma, pude ensinar uma lição valiosa: não devemos desistir de uma ideia só porque ela pode não dar certo ou porque as chances são mínimas. Não ser selecionado faz parte da vida e precisamos lidar com isso.

Minha mensagem final é: todos nós temos pontos fortes e pontos fracos em qualquer arena do conhecimento. Se levarmos isso em conta quando planejarmos nossas aulas, vamos poder oferecer um desafio para aqueles que terminam mais rápido e suporte para aqueles que precisam de mais tempo. Assim, podemos garantir que realmente estamos tentando ajudar cada um de nossos alunos a alcançar o seu potencial.

Compartilhar:

Comentários:

* Campos obrigatórios.

Seja o primeiro a comentar esse conteúdo e ajude nossos leitores a criar um debate construtivo.

Artigos relacionados

Um exemplo prático de diferenciação do ensino: meu desafio Jimmy Fallon
Educação
seg jul 6 André Hedlund

Um exemplo prático de diferenciação do ensino: meu desafio Jimmy Fallon

Há uns 3 anos, planejei uma aula de revisão sobre o VERB TO BE no Simple Present. Eu queria que meus alunos fossem capazes de escrever uma carta…

Leia Mais

10 maneiras de trabalhar com leitura na escola
Educação
ter jun 30 Marcela Nesello

10 maneiras de trabalhar com leitura na escola

Como trabalhar com a atenção na era da distração? Como lidar com o livro na era dos memes? Todo professor já se deparou com essas questões. É…

Leia Mais

O papel da família e sua relação com a escola no ensino remoto
Educação
qui jun 18 André Hedlund

O papel da família e sua relação com a escola no ensino remoto

A pandemia do coronavírus, com todo o sofrimento e medo causados na população, nos forçou a repensar de que maneira podemos manter alguns…

Leia Mais